Policlínica do DF oferece programa de reabilitação pós-Covid

Serviço inclui sessões gratuitas de fisioterapia e terapia ocupacional. Veja como participar

Policlínica do DF oferece programa de reabilitação pós-Covid

Em busca de retomar a qualidade de vida de pacientes curados do coronavírus, a Policlínica/Ambulatório de Saúde Funcional de Sobradinho, situado na Quadra 8 da RA, atende moradores da Região de Saúde Norte, onde oferece um programa de reabilitação pós-Covid com serviços de fisioterapia, terapia ocupacional ortopédica, neurológica adulta e neuropediátrica, além de atendimento psicológico. Clarice Barbosa (foto em destaque), 36 anos, é paciente do programa. Ela contraiu a doença em junho de 2020 e, com dez dias de dor de cabeça, febre, tosse e coriza, começou a notar dormência nas mãos e língua. Clarice, que atua como doméstica, teve perda e limitações nos movimentos e comprometimento na fala. Inicialmente, fez tratamento com neurologista no HUB e, depois, passou a fazer sessões com fonoaudióloga também no hospital. Em janeiro deste ano, ela procurou a unidade em Sobradinho para receber reabilitação neurológica pós-Covid. O tratamento começou pela fisioterapia e, atualmente, inclui sessões semanais de terapia ocupacional. PUBLICIDADE Os pacientes chegam ao local via regulação. Com o encaminhamento médico, a pessoa pode ir até a unidade básica de saúde mais próxima fazer o agendamento. Mais sobre o assunto ilustração pessoas de máscara Saúde Covid: taxa de transmissão no Brasil é a menor em 10 meses, diz estudo Saúde Covid: já me vacinei, posso voltar à vida normal? Saúde Brasil é um dos países com mais mutações do coronavírus, diz estudo roberto Jefferson ex deputado preso STF ameaça Janela Indiscreta Por falta de novas doses, GDF não antecipará D2 nesta semana PUBLICIDADE Segundo a terapeuta ocupacional Juliana Costa, que acompanha Clarice, o tratamento é realizado de maneira individualizada e de acordo com a queixa de funcionalidade do paciente. “A duração [do tratamento] é variada, pois depende de cada quadro de evolução”, pontua. Juliana explica que a terapia ocupacional reabilita o paciente para que ele tenha a maior autonomia possível para realizar suas atividades de vida diária, como lazer, trabalho e autocuidado. Clarice relembra: “Não conseguia comer, tomar banho e me vestir sem ajuda”. Hoje, após o tratamento, a paciente já apresenta melhora em seu quadro funcional. “As mãos não tremem mais, já tomo banho e me visto sozinha”, conta. Os principais exercícios que ela faz são para retomar o equilíbrio e a coordenação motora tanto global quanto fina. Clarice também treina bicicleta manual para a parte cardiorrespiratória. conteudo patrocinado Banco libera novo cartão de crédito com limite de R$2500 ESTOA Banco libera novo cartão de crédito com limite de R$2500 WEBMOTORS Confira: KIA SPORTAGE 2011/2012 LEZ A LEZ Camisa Manga 3/4 Estampa “O atendimento é nota 10”, diz. “Eu me sinto muito melhor e feliz em poder retomar minhas atividades”. Ela destaca a atenção de Juliana e celebra cada passo a mais no tratamento. “Apesar de ainda precisar da ajuda de um andador, já senti melhora no equilíbrio como um todo”, comemora. Sequelas De acordo com Juliana, os pacientes encaminhados para o ambulatório apresentam problemas que comprometem a autonomia e a qualidade de vida. “As sequelas neurológicas pela Covid-19 podem ser relacionadas a queixas de convulsão, cefaleia, perturbação dos sentidos, falta de coordenação, fadiga, vertigem, dormência e AVC [Acidente Vascular Cerebral]”, enumera. A terapeuta ocupacional revela ter tido bons resultados na reabilitação neurológica pós-covid. Ela alerta que quanto antes for iniciado o tratamento, melhores são as chances de bom prognóstico.