Foco na aprovação: veja as dicas para ir bem no concurso da UnDF

De acordo com especialista, as questões de língua portuguesa devem definir quais serão os 1.400 aprovados no concurso da UnDF

Foco na aprovação: veja as dicas para ir bem no concurso da UnDF

Gabriel de Sousa redacao@grupojbr.com

Uma aprovação no primeiro concurso da história da Universidade do Distrito Federal (UnDF) é a ambição de milhares de concurseiros pelo país, que buscam integrar o primeiro corpo docente da instituição de ensino que será inaugurada futuramente. Com remunerações entre R$ 2.860 e R$ 6.760, o processo seletivo deve ter um grande número de participantes, aumentando o nível da concorrência que irá realizar a prova objetiva e discursiva, marcada para o dia 25 de setembro deste ano. Leia também Dupla é presa acusada de roubar casas por todo DF Vídeo: carro usado em drift ilegal é apreendido Celular roubado toca durante abordagem e dupla é presa O edital publicado nesta última quarta-feira (22), mostrou algumas das complexidades deste processo seletivo, que irá destinar 350 vagas imediatas e outras 1.050 oportunidades de cadastro reserva para professores e tutores de ensino superior. As inscrições devem ser feitas do dia 25 de julho ao dia 21 de agosto. PUBLICIDADE A primeira particularidade do certame é que ele não será organizado pelo Cebraspe, que é organizadora oficial das provas da Universidade de Brasília (UnB), e nem pelo Instituto Quadrix, que realizou os últimos concursos da Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEEDF). A banca escolhida foi o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento (IADES), que também está à frente dos certames da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF). Por este motivo, as pessoas que desejam prestar o concurso da UnDF, terão que esperar até o dia da aplicação das provas para conhecer as exigências da IADES. Porém, o Concursos & Carreiras do Jornal de Brasília irá ajudar os estudantes com algumas expectativas e dicas valiosas para quem deseja ter o seu nome entre as nomeações, previstas para acontecer em 2023. Uma banca que leva a língua portuguesa à risca Em uma entrevista exclusiva concedida para a nossa equipe de reportagem, Jaqueline Santos, coordenadora preparatória na área educacional do Direção Concursos, explicou mais sobre as particularidades deste processo seletivo e da sua banca organizadora. Segundo ela, nessa reta final, os concurseiros devem direcionar os seus estudos para assuntos específicos, tendo em vista que a prova objetiva e discursiva será daqui a três meses. “Historicamente, quem sempre faz os concursos da UnB é o Cebraspe, naquele padrão típico de certo e errado, e esse concurso é completamente bem diferente. Nós estamos falando da IADES que é uma banca bem específica, que usa ABCDE. Quem já estudou para o concurso da PMDF conhece o perfil dessa banca. No caso do pessoal da Secretaria de Educação, que tem as suas complexidades, a linha de cobrança da Quadrix e da IADES é completamente diferente”, explica a especialista. CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Segundo Jaqueline, diferentemente das outras bancas organizadoras que organizam concursos para contratação de professores, a IADES é conhecida pelo seu rigor com a língua portuguesa. Das 60 questões da prova objetiva, dez serão sobre esse conhecimento básico, e para a especialista, esses itens serão a peça-chave para a aprovação dos concorrentes. “A IADES cobra muito a questão gramatical, ela pesa mesmo a mão, ela exige um nível alto de conhecimento em língua portuguesa. Não que a Quadrix não, mas é diferente. A gente consegue perceber que um aluno que não tem tanto conhecimento em língua portuguesa, ele consegue estudar e se dedicar, já com a IADES é diferente. Eu não consigo te dizer que quem começar a estudar língua portuguesa por agora irá conseguir gabaritar, porque nós temos questões de alto padrão”, observa Santos. A especialista em concursos de educação afirma que os concurseiros também devem estar atentos à prova discursiva, que pode ser fundamental para alcançar uma pontuação elevada e aumentar as chances de ir para as próximas etapas do processo seletivo: “Eu daria um olhar também para a redação, porque às vezes, você acaba se classificando ali no mais ou menos, sabe? Mas você fez uma boa redação, e então, com essa sua nota, você passa na frente de todo mundo que tirou uma boa nota na parte objetiva”. Mais da metade da prova será sobre conteúdos específicos Para ir bem na prova da UnDF, é necessário também dar uma conferida nos conteúdos exclusivos da legislação do Distrito Federal, que sempre estão presentes nos processos seletivos da capital federal. Segundo Jaqueline, neste ponto da prova, os itens devem ser mais “tranquilos”, sendo cobrados de forma objetiva pela IADES. CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE De acordo com o edital, das 60 questões da prova da UnDF, seis serão sobre a Lei Orgânica, cinco sobre o DF e a Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE) e quatro sobre a legislação da nova universidade. Além disso, na prova haverá 35 questões específicas que irão testar a capacitação dos concurseiros nos campos em que pretendem lecionar. Dez serão sobre fundamentos pedagógicos e outras dez para conhecimentos da área em que está concorrendo. Por fim, 15 itens irão avaliar o domínio do concorrente sobre o seu cargo desejado. Prova não será a única etapa A prova objetiva e discursiva de setembro não será a única etapa do concurso da UnDF, que, aliás, será um processo seletivo de grande duração, com a sua lista final de aprovados prevista para sair somente no dia 21 de março de 2023. Após a primeira avaliação, que terá o seu resultado divulgado no dia 29 de novembro, os classificados terão que fazer uma matrícula em um curso de capacitação profissional, que será aplicado entre os meses de janeiro e fevereiro de 2023. A pontuação obtida nesta fase também será muito importante para se obter uma boa nota e ficar mais próximo da nomeação. CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Por fim, uma análise de titulação dos concorrentes, que será feita no início de fevereiro de 2023, irá definir quais serão os primeiros professores da história da universidade distrital, que terão os seus nomes marcados na história do ensino superior público do DF.