Brasília recebe Liga das Nações até domingo; confira guia da competição

A seleção brasileira enfrenta quatro destes adversários: Turquia, no dia 15; Holanda, dia 16; Itália, dia 18; Sérvia, dia 19

Brasília recebe Liga das Nações até domingo; confira guia da competição

Júlia Costa e Marco Antônio Dutra (Jornal de Brasília / Agência de Notícias CEUB)

Brasília receberá até domingo (19), a Liga das Nações de vôlei feminino na Arena BRB Nilson Nelson. É a segunda vez que a capital federal é sede da competição, já tendo sido casa do campeonato em 2019. No total, serão 16 jogos de 8 seleções espaçadas nos cinco dias de campeonato. Brasil, Itália, Sérvia, Turquia, Holanda, Alemanha, República Dominicana e Coreia do Sul participam da etapa em Brasília. Confira a tabela completa de jogos: (Foto: Divulgação/CBV) O que é a Liga das Nações? A Volleyball Nations League (VNL), ou Liga das Nações, é um campeonato de seleções anual e teve sua primeira edição realizada em 2018. A competição é a substituta do antigo Grand Prix, removido do calendário de seleções em 2017. Cada edição conta com 16 países participantes. Este ano, Brasil, Alemanha, Bélgica, Bulgária, Canadá, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, Holanda, Itália, Japão, Polônia, República Dominicana, Sérvia, Tailândia e Turquia disputarão o título. Em 2022, a Liga das Nações passa a implementar um novo formato de competição. Na fase preliminar, as 16 seleções são divididas em 2 grupos de 8 por semana, que jogarão em dois países sede diferentes a cada etapa. No total, cada equipe disputará 12 jogos. A primeira fase do campeonato dura 3 semanas e ocorrerá entre os dias 31/05 e 03/07. Os países sedes para essa fase são Estados Unidos, Turquia, Brasil, Filipinas, Canadá e Bulgária. A seleção brasileira jogará nos Estados Unidos, no Brasil e na Bulgária. As oito melhores seleções da fase preliminar avançam às quartas de final. A partir dessa etapa, todas as decisões são em jogos únicos. A fase final será disputada em Ancara, na Turquia, entre os dias 13 e 17 de julho. A edição de 2022 marca a volta da Liga das Nações ao seu formato original. No ano passado, foi realizada em uma “bolha” em Rimini, na Itália, devido a pandemia de COVID-19. Os Estados Unidos são os atuais tricampeões da VNL, nunca tendo perdido a competição. O Brasil, vice-campeão em 2019 e 2021, vem em busca de um título inédito após ter batido na trave nas duas últimas edições. Conheça as seleções: Brasil: O Brasil vem como um dos favoritos para o torneio. A sempre forte seleção brasileira conta com reforços que se ausentaram na primeira semana de Liga das Nações. Rosamaria, recuperada de lesão, fará parte do time que jogará em Brasília. Outro reforço de peso é o da Gabi, que se apresenta após uma temporada impressionante, sendo inclusive eleita como a MVP da final da Champions League — todo esse prestígio a fez a capitã do time. Itália: A Itália vem ao Brasil com 2 vitórias e 2 derrotas na primeira semana de VNL, disputada com o time reserva. Agora com força total, a equipe volta a contar com jogadoras essenciais como Myriam Sylla e, principalmente, a oposta Paola Egonu — uma das melhores jogadoras do mundo e destaque absoluto da seleção italiana. A atual campeã europeu é uma das favoritas ao título e enfrenta Sérvia, República Dominicana, Alemanha e Brasil. Sérvia: a seleção sérvia disputa a Liga das Nações com uma equipe alternativa. As principais jogadoras da seleção, a levantadora Maja Ogjenovic e a oposta Tijana Boskovic não foram convocadas e devem retornar à equipe apenas para a disputa do campeonato mundial. Apesar disso, a Sérvia chega em Brasília com 3 vitórias em 4 jogos e ocupando a quinta posição na colocação geral. Alguns novos nomes a destacar são de Daniele Santarelli, técnico do gigante europeu Conegliano que assume a Sérvia nessa temporada, e Maja Aleksic, a segunda melhor central da primeira semana da competição. Turquia: a seleção turca terá uma primeira partida difícil em Brasília jogando justamente contra o Brasil. A equipe titular tem se mantido constante, porém a seleção enfrenta muitos questionamentos sobre a qualidade do elenco, mesmo vindo de 3 vitórias e 1 derrota. A Turquia ainda busca se afirmar, vindo de uma eliminação inesperada nas Olimpíadas para a Coreia do Sul e uma quarta colocação no campeonato europeu no ano passado. Com todos esses problemas, o Brasil é favorito no confronto, porém será um jogo complicado, marcado pelo nervosismo da estreia. Holanda: a Holanda tem como seu principal objetivo figurar entre as finalistas do torneio. A equipe vem sem grandes surpresas. Um rosto bastante conhecido da torcida brasileira jogará no Brasil: Anne Buijs, ponteira do Praia Clube e capitã da seleção, chega com a missão de liderar o time nesse momento de reformulação. O time perdeu grandes peças na última temporada, com a aposentadoria da seleção de Yvon Belien e Robin de Kruijf. Portanto, as holandesas vem buscando uma maneira de substituí-las. Deste modo, o Brasil talvez explore essa incerteza do bom time holandês. República Dominicana: a República Dominicana vem fazendo uma campanha decepcionante. O sexto lugar da edição passada tem 4 derrotas e 4 jogos até aqui. Com elenco forte, a equipe busca se recuperar na competição em uma série de jogos contra Coreia do Sul, Itália, Holanda e Alemanha. Alguns rostos conhecidos da torcida brasileira também estarão em quadra na segunda semana de Liga das Nações: as irmãs Martinez, jogadoras do Praia Clube, e Yonkaira Peña, que defendeu o Sesc Flamengo na temporada passada, vem à Brasília. Alemanha: a Alemanha sofre com má fase e busca melhora. Vindo de derrota para o Brasil por 3×1, as alemãs buscam reencontrar o caminho da boa fase. Tendo vencido apenas 1 de seus últimos 4 jogos, a pressão só aumenta. A Alemanha também perdeu grandes jogadoras no último ano: a levantadora Denise Imoudu e a oposta Louisa Lippmann — principal jogadora da equipe — anunciaram suas aposentadorias recentemente e a equipe vem em fase de adaptação com as novas peças convocadas. Desde o ínicio não eram consideradas favoritas, porém os maus resultados surpreendem. Coreia do Sul: a atual lanterna do campeonato vem à Brasília tentar alguma recuperação. Sem nenhum set ganho até o momento, a Coreia do Sul tem tido graves problemas desde a aposentadoria da seleção de Kim Yeon-Koung, principal jogadora de vôlei do país, e saída do técnico Stefano Lavarini, atual treinador da Polônia. A seleção coreana enfrenta República Dominicana, Sérvia, Alemanha e Turquia. Ingressos e onde assistir Os ingressos estão à venda pela plataforma digital Eventim e são válidos para todas as partidas do dia. Os preços variam entre R$ 12 e R$ 70. As cadeiras premium tem preço único de R$300. (Foto: Divulgação/CBV) Todos os jogos do Brasil são transmitidos na TV pelo SporTV 2 e pela Globo. As partidas de todas as seleções são transmitidas ao vivo pelo serviço de streaming internacional do Volleyball World, a Volleyball TV.