Luziânia inicia cadastro para vacinar pessoas a partir de 18 anos

Público desse grupo será incluído em um cadastro reserva que poderá se vacinar quando sobrarem doses ao fim do dia. Por enquanto, o município vacina pessoas com mais de 42 anos

Luziânia inicia cadastro para vacinar pessoas a partir de 18 anos

O município de Luziânia, Entorno do Distrito Federal, iniciou a formação de um cadastro reserva para pessoas com mais de 18 anos sem comorbidades poderem se vacinar contra a covid-19. Por enquanto, a cidade está imunizando pessoas com mais de 42 anos. A ideia da prefeitura é com esse cadastro utilizar as doses que sobram ao fim do dia e que se não forem usadas têm que ser jogadas fora. Conhecida como "xepa", vários estados têm usado diferentes estratégias para utilizar essas doses. No caso de Luziânia, os moradores podem preencher um cadastro no site da prefeitura indicando qual a possibilidade de horário que podem se vacinar. Caso sobre doses no posto, a unidade entrará em contato com o interessado para ele ir se imunizar. A preferência será dada para pessoas mais velhas. PUBLICIDADE No Distrito Federal, a vacinação está sendo de pessoas com 44 anos ou mais. Desde o fim de junho, a "xepa" da vacina no DF é para pessoas que têm entre 48 e 59 anos que ainda não se vacinaram. Nesse caso, não é preciso agendamento prévio. Antes, as doses remanescentes estavam sendo aplicadas em profissionais de segurança. O DF ainda não tem um calendário para a vacinação de outros grupos. As doses precisam ser usadas porque depois de aberta elas têm um prazo de validade. A Coronavac, a vacina da Pfizer e da Janssen duram até seis horas após a abertura do frasco. Já a AstraZeneca pode ser utilizada em até 48 horas depois de aberta. Outros estados Desde junho, a cidade de São Paulo também liberou as doses remanescentes para pessoas com mais de 18 anos sem comorbidade. Também é preciso fazer um cadastro prévio para receber uma dessas doses que sobram. Em Belo Horizonte, as doses são usadas em pessoas acamadas. Em Porto Alegre estão sendo priorizadas gestantes e puérperas e pessoas com comorbidades. Já no Rio Grande do Sul, pode tomar quem estiver no posto no fim do dia.